Os acontecimentos ocasionados pelo novo Coronavírus alteraram significativamente a forma como vivemos. Com a pandemia decretada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), muitas dúvidas surgem diariamente em relação ao risco de infecção por meio de práticas rotineiras. Neste contexto, uma questão muito comum trata sobre os possíveis riscos na utilização de sistemas de ar-condicionado.

Como orientação para essa questão, a VDI, na Alemanha, publicou uma diretriz que trata sobre sistemas de refrigeração de ar para lugares públicos. O documento aborda aspectos importantes como manutenção, higienização e outras ações que podem funcionar como prevenção ao vírus.

Em relação à preocupação inicial, os sistemas de ar condicionado podem reduzir significativamente o risco de infecção em ambientes fechados, diluindo e separando os poluentes. No entanto, é necessário que os operadores avaliem o funcionamento dos sistemas.

Na linguagem comum, ouve-se muito o termo “ar condicionado” de maneira indiferenciada para vários tipos de sistemas e dispositivos. Isso leva à incerteza entre os usuários, pois existem tipos distintos. Em empresas de processamento de carnes, por exemplo, são usados ​​apenas dispositivos de resfriamento por convecção. Esses dispositivos apenas sugam o ar presente na sala, resfriam-no e o liberam de volta para a sala.

Embora a Diretriz VDI 6022 Parte 1 – que trata sobre ventilação e qualidade do ar interno – exija filtros para esses dispositivos, eles geralmente funcionam sem filtros. Eles também não fornecem ar fresco, de modo que os poluentes transportados pelo ar não são filtrados nem diluídos. Em contraste, os modernos sistemas de ar condicionado em prédios de escritórios têm vários níveis de filtro e são operados 100% com ar externo. Aqui, os poluentes, incluindo as gotículas carregadas de vírus, são parcialmente separados e sua concentração é reduzida por diluição.

Qual é o papel da temperatura do ar e da umidade?

No processamento de carnes, baixas temperaturas (cinco a dez graus Celsius) são necessárias para que a carne não estrague. O ar também é fortemente desumidificado. O ar frio e seco favorece a desidratação das mucosas brônquicas, tornando-as mais suscetíveis a infecções. Portanto, menos germes são suficientes para uma infecção.

A sensibilidade das membranas mucosas brônquicas aumenta com a exposição permanente ao ar seco (menos de 30% de umidade relativa). Os regulamentos de quebra, portanto, se aplicam a várias áreas de produção em que são necessários baixos níveis de umidade por motivos relacionados ao processo: os funcionários só podem trabalhar por períodos limitados sob condições estressantes e, em seguida, têm que relaxar em um ambiente com condições agradáveis ​​antes de iniciar o próximo intervalo no ambiente de trabalho estressante.

O ar seco também favorece a evaporação das gotículas de aerosol carregadas de vírus. Como resultado, elas se tornam menores e podem permanecer em suspensão por mais tempo, transpondo distâncias mais longas. Ambientes de trabalho barulhentos e trabalho físico pesado também desempenham um papel importante: as pessoas muitas vezes só conseguem se fazer entender gritando e a respiração acelera. Ambos não só aumentam a produção de gotículas carregadas de vírus, mas também sua velocidade. Além disso, fotos atuais das empresas mostram que os funcionários se distanciam muito pouco uns dos outros.

O que os operadores devem fazer para reagir às novas descobertas?

  • Aumento da proporção de ar fresco: a concentração de vírus no ar fresco externo é a mais baixa possível. O ar fresco, portanto, dilui a concentração de vírus transportados pelo ar na sala. Sempre que possível, os sistemas de ar condicionado devem funcionar com ar externo 100% fresco. Este é o fator de influência mais importante.

 

  • Umidificação do ar ambiente: em salas comuns, deve-se manter uma umidade relativa de 30% a 65%

 

  • Filtragem: onde o modo de recirculação for necessário por razões técnicas, o ar ambiente deve, se possível, ser filtrado por dispositivos de purificação do ar de recirculação com filtros HEPA. É importante garantir que a alta umidade não faça com que os microrganismos se multipliquem nos filtros.

 

  • Radiação: A radiação ultravioleta de ondas curtas (UV-C) é usada em sistemas de ar-condicionado para reduzir a multiplicação de microrganismos. A radiação UV-C tem se mostrado eficaz contra o vírus.

 

  • Redução dos intervalos de manutenção: os sistemas HVAC e todos os seus componentes devem ser mantidos de acordo com as especificações do fabricante e as regras de tecnologia geralmente reconhecidas. As diretrizes VDI 6022 e VDI 3810 Parte 4 devem ser mencionadas aqui para sistemas de ar-condicionado em particular.

 

  • Em vista do risco atualmente aumentado, pode ser necessário encurtar os intervalos de manutenção normais, especialmente para inspeções e trocas de filtro.

 

  • Medidas organizacionais, como a introdução de intervalos de regeneração, aumentando as distâncias entre funcionários e equipamentos de proteção individual, como máscaras respiratórias, oferecem maior potencial de redução de riscos.

 

O que o operador do sistema deve fazer?

No caso de perigos especiais, como o patógeno SARS-CoV-2, os operadores de sistemas devem usar tecnologias avançadas e conhecimento científico atual devido à responsabilidade de seu empregador e ao dever de segurança no tráfego. Os riscos descritos não ocorrem apenas no exemplo citado de indústria de processamento de carnes. Como resultado, o operador de uma planta deve agir com previsão no caso de novas descobertas sobre riscos potenciais. Os operadores de sistemas de ar-condicionado devem, portanto, revisar sua avaliação de risco com base no conhecimento atual e atualizá-la se necessário.

Medidas de proteção adicionais aumentam o esforço. Atualizações de tecnologia, gastos de energia para o condicionamento do ar externo, perdas de produtividade devido às medidas de proteção organizacional. As obrigações de proteger a equipe devem ser pesadas em relação aos interesses legais a serem protegidos. A vida e a integridade das pessoas são as prioridades. A Lei de Proteção contra Infecções é, portanto, baseada no estado da arte, o mais alto nível de proteção.

Para saber mais sobre os impactos do Coronavírus na indústria, leia o texto “Guia de trabalho nas indústrias durante a crise do Coronavírus” disponível em nossa biblioteca de artigos exclusivos.