Durante Assembleia Geral realizada nesta segunda-feira (5), a Associação de Engenheiros Brasil-Alemanha (VDI-Brasil) fez um balanço das ações realizadas em 2017 e apresentou seu planejamento para 2018, que será pautado, principalmente, pelas atividades dos seus quatro clusters: Digitalização na Indústria, iEngineer, Inclusão e Diversidade, e Produtividade Industrial.

Os clusters temáticos são grupos de trabalho criados para debater temas de extrema relevância para a engenharia tanto no Brasil, como na Alemanha. Para mediar essas discussões, foram escolhidos oito pessoas para compor o grupo de chairs, todos vice-presidentes da VDI que representam tanto a academia como também a indústria.

“Além de levar discussões relevantes ao setor, os clusters terão o papel de propor e executar ações junto aos associados. Será um canal de comunicação direta com os associados para difundir boas práticas e pensar em soluções para alavancar o setor da engenharia no Brasil”, explicou o presidente da VDI-Brasil e da ZF América do Sul, Wilson Bricio.

Para conduzir este trabalho, que requer a cocriação entre academia e indústria, a VDI encontrou no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), situado no campus da Universidade de São Paulo (USP), a ideal localização para seu escritório. Além disso, o IPT se tornou um parceiro para ajudar na construção de projetos que visam estreitar os laços da indústria com as universidades.

A assinatura do termo que oficializa a parceria entre a VDI-Brasil e o IPT também aconteceu nesta segunda, anteriormente à Assembleia. Na ocasião, o professor da USP e presidente do IPT, Fernando J. G. Landgraf, deu boas-vindas à Associação. “Como docente e presidente do Instituto vejo total sinergia e uma parceria benéfica para ambos. O IPT tem condições de contribuir com a VDI-Brasil e de ajudar suas empresas e vice-versa e, para nós, é um prazer tê-los mais próximos”.

Clusters

Em 2018, os clusters temáticos terão encontros bimestrais, com a possibilidade de participação através de videoconferência. Além disso, cada grupo organizará dois webinars por ano, envolvendo palestrantes da academia e da indústria. Confira, a seguir, as características e ações previstas para cada cluster.

Digitalização na Indústria – Quais tecnologias?

Este cluster terá foco em debater quais as tecnologias relevantes para que a indústria brasileira crie vantagens competitivas. Neste grupo, estarão presentes engenheiros com experiência na indústria. O debate sobre boas práticas será essencial para que empresas possam aprender umas com as outras a trilhar os caminhos da digitalização. Estarão à frente deste cluster Celso Placeres, diretor da Engenharia de Manufatura da Volkswagen do Brasil, e André Wulfhorst, Gerente Sênior de Desenvolvimento de Rede Veículos Comerciais e Treinamento da Mercedes-Benz do Brasil.

iEngineer – Como capacitar?

Uma vez identificadas as tecnologias relevantes, surge a pergunta “Como capacitar engenheiros nessas tecnologias?”. O principal eixo deste cluster é a discussão sobre a capacitação dos engenheiros brasileiros. A formação dos engenheiros no Brasil é suficiente para que eles tenham o domínio das novas tecnologias que estão sendo aplicadas na indústria? O debate da academia junto às empresas será o pilar deste grupo, que contará com engenheiros das companhias e professores universitários. Este cluster será liderado por Livaldo dos Santos, Consultor e Ex-Presidente da Indústrias Romi, e Maurício Muramoto, Sócio-Diretor da MHMURA Assessoria Empresarial Ltda.

Inclusão e Diversidade – Como atrair?

Com engenheiros bem capacitados para usar as novas tecnologias, surge um novo questionamento para as empresas, “Como atrair esses talentos”? O cluster de Inclusão e Diversidade reunirá engenheiros associados que têm motivação pessoal para trabalhar pela diversidade. Serão colocadas em pauta questões sobre como atrair talentos e entusiastas por tecnologias para a engenharia. Práticas de inclusão e igualdade também serão debatidas a fim de disseminar uma cultura organizacional que conceda oportunidades a todos. Theo van der Loo, Presidente da Bayer Brasil e Cristina Palmaka, CEO local da SAP, estarão à frente deste cluster.

Produtividade Industrial – Como organizar?

Saber como organizar equipes com profissionais talentosos, que tenham domínio sobre as novas tecnologias para impulsionar a produtividade será o desafio deste cluster. Engenheiros experientes e em cargos de liderança poderão expor suas experiências para juntos pensarem em ações que podem ser adotadas por toda a indústria. Este cluster será liderado por Willi Nass, Vice-presidente de Serviços Técnicos e Infraestrutura da Basf para a América do Sul, e Robert Madersdorfer, Executive Manager da LANXESS Indústria de Produtos Químicos e Plásticos.

Compartilhe isso:
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin