14 de setembro de 2021

A Indústria 4.0 é uma realidade também no setor de alimentos e bebidas. Dentro desse conceito de produção, toda a cadeia do setor alimentício, do campo até a mesa do consumidor está sendo analisada, controlada e continuamente evoluindo.

Com essa linha de produção integrada e monitorada em tempo integral, a Indústria 4.0 traz também economia de energia e insumos, proporciona mais controle sobre os custos operacionais e evita desperdícios. Para gestores da área, oferece monitoramento a distância e manutenção remota de equipamentos. Além disso, a tecnologia permite que o setor de alimentos e bebidas produza com qualidade, segurança, economia e de forma sustentável.

Outra grande vantagem dessa digitalização no setor alimentício é permitir que as organizações controlem seus processos de maneira detalhada. Essa capacidade de mapear cada etapa com antecedência e controlar todos os processos permite que se enfrentem questões mundiais de nível macro, como quebras de safra, mudança das exigências dos clientes e principalmente, eficácia nos requisitos de segurança alimentar. Os fabricantes podem melhorar a distribuição e a utilização de recursos, configurar fluxos de trabalho produtivos e reduzir impacto ambiental.

A segurança alimentar é um termo que expressa a garantia de todas as dimensões que inibem a ocorrência da fome. Disponibilidade e acesso permanente de alimentos, pleno consumo sob o ponto de vista nutricional e sustentabilidade em processos produtivos. Por isso, a insegurança alimentar é consequência direta das mudanças climáticas, degradação dos solos, escassez hídrica, poluição, explosão demográfica, falhas de governança, crises sanitárias e socioeconômicas.

A segurança alimentar também pode ser evidenciada pelo aumento da eficiência na produção agrícola e a redução do desperdício de alimentos. Segundo a FAO, (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), mais de 30% da produção mundial é desperdiçada a cada ano entre as fases de pós-colheita e a venda no varejo.

Ademais, apesar do avanço da tecnologia beneficiar a agricultura, ainda muito se perde durante os processos de produção. A alta de preços dos alimentos e outras consequências socioeconômicas potencializadas pela pandemia da Covid-19 aumentaram ainda mais a gravidade dessa situação.

Por isso, a segurança alimentar contempla um conjunto de normas que garante o acesso da população a uma alimentação saudável e de qualidade para todos. Nesse sentido, a questão principal é como alimentar uma população em constante crescimento, com terrenos e áreas para cultivo limitadas, um sistema que desperdiça grande parte da produção e diversos obstáculos que implicam na distribuição desigual dos alimentos no mundo.

A digitalização nas empresas é um grande passo a favor da contribuição com a segurança alimentar. Muitas empresas de TI estão entrando no setor agro e o número de startups de agronegócio está crescendo de maneira exponencial a cada ano. Um dos grandes desafios é pensar em alternativas para fazer com que as tecnologias 4.0 cheguem às pequenas propriedades no Brasil.

Posto isto, a tecnologia na indústria alimentícia impactou desde a carne produzida em laboratório aos sistemas desenvolvidos de fabricação para a manufatura tradicional. Recursos como maquinário e ferramentas digitais de controle da fabricação, por exemplo, ampliam os diferenciais de uma fábrica de alimentos e a tornam mais competitiva diante do mercado.

A grande integração proporcionada pela Indústria 4.0 permite ainda que se estabeleçam melhores controles de segurança no chão de fábrica. A tecnologia ajuda a identificar momentos ou zonas de perigo e as medidas de segurança adequadas. Os equipamentos podem ser programados para identificar limites críticos e podem ser desenhados para se corrigirem sozinhos. Isso é possível a partir de máquinas conectadas a sistemas operacionais, construídas especialmente para a produção de alimentos, prevendo as etapas e conectando-as entre si.

Alguns atributos já são comuns e até imprescindíveis para uma produção segura e de qualidade. Quanto mais automatizada sua produção, maior o controle e a agilidade para que os produtos sejam feitos, de forma segura e confiável. Por isso também a importância da segurança alimentar e a diferença que ela proporciona nas empresas que a seguem. A segurança alimentar é um diferencial para as empresas deste ramo e pode provocar um impacto bastante significativo nos resultados de um negócio. Nesse sentido, a engenharia tem um papel fundamental criando soluções para a preservação da integridade da sociedade.