17 de junho de 2021

A pandemia de covid-19 alterou a rotina e comportamento de pessoas de todos os cantos do mundo. Andar pela rua munido de um frasco de álcool gel e máscaras, evitando qualquer tipo de contato com as outras pessoas ao redor se tornou algo necessário. Abraços e apertos de mão, nem pensar. Aglomerações e reuniões com muitas pessoas então, sem chance. O que conhecemos como novo normal, infelizmente ainda está em vigência em grande parte do mundo, exigindo drásticas mudanças em nosso cotidiano.

Entretanto, algumas atividades não puderam deixar de serem feitas presencialmente. E com isso, muitos lugares tiveram que se adaptar com o passar do tempo. As instituições sanitárias já alertaram inúmeras vezes que lugares fechados não são recomendados para reunir pessoas, visto que, o vírus se instala e espalha com maior facilidade. Neste contexto, surge a dúvida sobre a atuação de purificadores de ar na redução da propagação do vírus. Esses aparelhos podem ajudar para deixar um ambiente mais seguro?

É evidente que em tempos pandêmicos, o mais seguro é se proteger. Isolamento social e higienização das mãos e objetos são as ações mais eficazes comprovadamente para a redução da difusão do vírus. Em complemento, alguns estudos passaram a ser realizados nos últimos meses com o intuito de viabilizar um aumento de qualidade no ar em ambientes fechados.

Melhorando a qualidade de ar para ajudar na prevenção da covid 19

Tendo em vista que a maioria das transmissões acontecem em locais de pouca circulação de ar, como proceder para tentar prevenir em casos que a presença física é essencial?

Dentro do contexto da pandemia, é possível concluir que ambientes fechados que apresentam mais segurança para os presentes são aqueles com constante ar externo circulando. Desta forma, ocorre uma troca de um ar viciado e restrito por um sopro de frescor. Ou seja, tratando de forma resumida, quanto mais arejado e com presença de ar externo, menos perigoso o recinto para a proliferação do vírus.

Outra forma de buscar uma melhora na qualidade do ar nesses ambientes é medindo o nível de CO2. Afinal, o vírus da covid-19 se espalha por meio da fala, de tosses ou expiração, que emitem o gás carbônico. No entanto, não é possível eliminar o gás carbônico, apenas substituí-lo por ar fresco e puro. A medição do nível de CO2 em variados ambientes ajuda a detectar o que torna o ar mais impuro, desta forma, é possível tomar medidas de precaução e eliminar essas sujeiras invisíveis de forma mais eficaz.

Desinfecção UV

A desinfecção UV também é mais uma maneira de buscar a diminuição de contágio de doenças transmitidas pelo ar. O método, que usa radiação de luz ultravioleta, proporciona um revestimento de proteção adicional ao espaço onde foi instalado. E a iluminação UV, já reconhecida pela comunidade cientifica por ser eficiente em destruir bactérias e vírus, colabora com um ambiente mais seguro.

São variadas as opções dos aparelhos que possuem esta funcionalidade. Existem as luminárias, que foram adotadas para uso doméstico e mais adequadas para ambientes com menor circulação de pessoas. Uma vez instaladas, possuem a capacidade de em poucos minutos eliminar germes e impurezas espalhados no ar. Para um lugar com maior circulação de indivíduos, sobretudo com fins comerciais, recomenda-se uma câmara de luz ultravioleta. Neste caso, o aparelho funciona para higienizar objetos que temos contato, como chaves, carteira e celulares, por exemplo.

Iniciativa portuguesa para purificar o ar em carros e transportes públicos

O Clean Veneporte Solution (CVS), criado pela empresa Veneporte em parceria com a Universidade de Coimbra, consiste em um dispositivo feito para purificar o ar interno em veículos e transportes públicos, com a finalidade de reduzir não só o contágio da covid-19, mas também de outras doenças transmissíveis e cargas virais pelo ar.

Especializada em sistemas de escape, filtros de partículas, catalisadores e sistema de controle de emissões automotivas, a corporação, ciente da grande fonte de risco de contágio na mobilidade coletiva, viu a oportunidade de se propor a criar uma solução para reduzir esse problema. O protótipo, que já foi aprovado para testes, é capaz de recolher o ar, processá-lo e fazer com que saia mais limpo, provocando uma corrente de recirculação.

A iniciativa se realizou através da aliança de dois fatores: a chance de a empresa desbravar um novo setor do mercado com um produto único e a possibilidade de contribuição na saúde pública do país. O contágio em transportes é uma preocupação diária dos cidadãos e das autoridades. O projeto, que por enquanto abrange veículos individuais e transportes coletivos, visa num futuro próximo se encaixar em espaços públicos como bares, restaurantes e ambientes comerciais.

Os purificadores de ar são opções seguras?

É bom enfatizar e repetir que a melhor solução para conter o vírus é o distanciamento e isolamento social e rigorosa higiene. Todavia, ciente que algumas áreas de atuação profissional demandam a presença física, pode se dizer que um purificador de ar é de grande valor para a prevenção.

Esses aparelhos possuem a capacidade de remover partículas de ar que contém bactérias, colaborando de forma direta na diminuição da circulação delas no espaço em questão. Existem no mercado uma enorme variedade desses produtos à nossa disposição, por isso, é preciso ter cuidado e atenção ao adquirir um e prezando pela qualidade do produto.

Ter consciência da potência dos purificadores é de grande importância. Afinal, quanto maior o espaço, maior a demanda de potência do aparelho. Portanto, buscar por filtros HEPA, podem te fornecer melhor desempenho. Este tipo de filtro é capaz de separar as partículas transportadas pelo ar na escala dos vírus com segurança.

Outro fator importante de se notar são as certificações dadas aos aparelhos pelos órgãos responsáveis pela avaliação deles. O responsável pelas análises, a Associação de Produtores de Eletrodomésticos proporciona um aval técnico e preciso do equipamento, tornando sua preocupação menor, na medida que de maneira proporcional se aumenta a segurança.

Infelizmente, essas soluções de purificação e limpeza de ar ainda não são alternativas viáveis e possíveis para a população de forma geral. Os produtos mais acessíveis para a população são os mais baratos, o que significa qualidade menor e muitas vezes não cumprem a função necessária. Os mais sofisticados, por sua vez, têm uma funcionalidade excelente, mas valores inacessíveis para a população. Por isso, é de suma importância a evolução dos estudos e desenvolvimento destas inovações. Através delas é possível se democratizar e possibilitar o uso desses aparelhos no cotidiano coletivo, e fazê-los presentes nos mais diversos tipos de ambientes, como escritórios, prédios comerciais, shoppings, hospitais e por fim, nos lares das pessoas. Afinal, em tempos de pandemia, respirar um ar limpo, fresco e de qualidade se tornou uma atividade mais necessária para o nosso bem estar.