17 de março de 2022

Queimar resíduos de plástico não é a única opção, há soluções melhores que podem ser feitas com esse material. 

A Agência Federal do Meio Ambiente da Alemanha (UBA) resume todos os processos de despolimerização de plásticos sob o termo reciclagem química. As substâncias e resíduos que saem nesse processo podem ser usadas diretamente pela indústria química ou reaproveitados na produção de plásticos. Esses resíduos também podem servir como combustível, porém, segundo a UBA, isso contraria a ideia de reciclagem de materiais e, portanto, essa atividade não deve ser realizada.

 

O processo se inicia em temperaturas acima de 500 ° C, em que o material plástico é decomposto em suas moléculas. A extração dos resíduos se dá através de um processo chamado pirólise, onde se é obtido uma espécie de óleo. Este plástico, primeiro triturado, é colocado em um grande cartucho, que é aquecido para se transformar em gás, e depois volta a ser resfriado na água. O petróleo resultante é separado ao emergir à superfície. No fim, mais de 75% do peso original é transformado em petróleo cru, pronto para ser refinado, assim como o petróleo recém-extraído. O resto da matéria fica dividido em gás e em resíduo final.

 

Esta proporção significa que 10 toneladas de plástico fornece cerca de 50 barris de petróleo, desta quantidade, no entanto, são utilizados 10 barris de energia no processo industrial. Assim, são produzidas cinco unidades de energia para cada unidade consumida.

 

Uma das pioneiras na Alemanha na prática da reciclagem química é a BASF em Ludwigshafen. Em conjunto com parceiros industriais, a empresa já está desenvolvendo uma ampla variedade de produtos feitos a partir do óleo de pirólise, como embalagens de alimentos, placas isolantes e elementos de geladeira. Além da BASF, as instituições Covestro, BSH Hausgeräte GmbH e Karlsruhe Institute of Technology (KIT) também estão pesquisando sobre o tema.

 

Já em relação ao petróleo produzido, não deve nada em termos de qualidade ao que é extraído no mundo. O plástico já é um produto do petróleo refinado, e não tem muitas impurezas. A tecnologia ainda é recente e, por isso, não se obtém muitas informações, mas caso o processo de popularize, a reciclagem química será um grande avanço rumo a sustentabilidade do planeta.