A instituição alemã Plattform Industrie 4.0 lançou, no último mês de maio, a publicação ‘Coronavírus e suas consequências’. O material lista dez projeções sobre o futuro dos modelos de negócios digitais para a Indústria 4.0 na economia pós-Corona.

A pandemia do COVID-19 está desafiando a política, a sociedade e a economia em uma extensão sem precedentes. Seus efeitos são tão drásticos que criam desafios não apenas na gestão de crises de curto prazo, mas, sobretudo, no desenvolvimento de opções estratégicas para o futuro.

Apesar de ainda estarmos passando por essa crise, já é evidente que a pandemia é um catalisador que reforça as tendências existentes, e terá como consequência mudanças fundamentais em nossos negócios cotidianos e também nos novos que estão por vir. Aqueles que conseguirem criar cenários que respondam às mudanças de comportamento econômico e social e atendam às novas demandas poderão sair dessa fase como vencedores.

Nesse contexto, o grupo de trabalho “Modelos Digitais de Negócios na Indústria 4.0”, da Plataforma de Indústria 4.0, na Alemanha, formulou dez teses sobre o futuro dos modelos digitais de negócios com base nessa área. Essas teses são destinadas a empresas de todos os portes e fornece impulso e inspiração para lidar com as consequências da pandemia do COVID-19 no contexto da Indústria 4.0 de uma perspectiva estratégica.

 

  1. Impulso para digitalização e modelos de negócios digitais – infraestruturas digitais escaláveis ​​e alto desempenho

A crise teve um grande impacto na digitalização em geral, e, em particular, nos modelos de negócios digitais. Em resposta à experiência de bloqueio das atividades humanas, as empresas automatizarão ainda mais sua produção e seus serviços, resultando na criação e na adaptação de seus serviços para o digital. Além disso, também mostrou a importância de um bom desempenho de infraestruturas digitais e redes de comunicação de alto desempenho e escaláveis na indústria, no sistema de saúde, e também na administração e educação. Déficits e diferenças também se tornaram aparentes, especialmente no que diz respeito à maturidade digital de diferentes setores industriais.

  1. Flexibilidade e agilidade se tornarão a base da competitividade

Empresas flexíveis que possuem a capacidade de se adaptar aos novos mercados e produtos têm vantagens em relação aos fabricantes especializados em grande escala para reagir a choques externos, como, por exemplo, uma pandemia. Agilidade e flexibilidade estão se tornando um dos principais fatores competitivos e estratégicos na indústria.

  1. Resiliência das redes de valor como novo business case

Como um novo alvo principal para a Indústria 4.0, a resiliência complementa os objetivos convencionais de eficiência operacional e diferenciação estratégica, por exemplo, individualização, flexibilidade e sustentabilidade. A resiliência também está impulsionando o desenvolvimento de aplicações futuras de inteligência artificial.

  1. Adaptação de desenvolvimento de produto e marketing a uma produção mais regional

A tendência de cadeias de valor mais regionais e robustas irá promover o surgimento de novos fornecedores nos mercados. No futuro, uma fábrica local trabalhará cada vez mais em modelos de manufacturing-as-a-service para vários fornecedores de produtos em um mercado local. Isso requer novos conceitos de fabricação, mas também novas arquiteturas de produtos, com menos complexidade, maior flexibilidade e/ou o uso de materiais locais e reciclados para atender às condições do mercado local.

  1. Novos ecossistemas e mercados serão criados

As interrupções nas cadeias de suprimentos globais e a forte flutuação da demanda abalou tanto o equilíbrio entre a oferta e demanda quanto a confiança em cadeias de suprimentos convencionais em muitos setores. Novos mercados e plataformas de colaboração estão surgindo para unir as necessidades e recursos das indústrias que estão fora das relações comerciais estabelecidas.

  1. Modelos inovadores de negócios serão ampliados

Devido ao menor fluxo de caixa ou da escassez de capital de muitas empresas durante a pandemia, no período pós-Corona os modelos de negócio inovadores como modelos de serviço, pagamento por uso ou assinatura para plantas industriais e infraestrutura se tornarão cada vez mais atraentes.

  1. A demanda de competências está mudando cada vez mais

Para estabelecer modelos de negócios digitais na Indústria 4.0, será necessário complementar expertise convencional em engenharia e produção por uma orientação mais forte a serviços e ao cliente, know-how em marketing digital e modelos de financiamento, bem como flexibilidade de portfólio e volume de produção. Principalmente o fortalecimento de competência de colaboração e interação tanto a nível organizacional quanto a nível individual, se tornarão uma vantagem competitiva nesse contexto.

  1. Ressignificar o conceito de ‘Serviços Remotos’ (“Distanciamento físico” na produção)

Fortalecer a digitalização e a automação nos negócios B2B. A possibilidade de trabalhar em home-office estará na área de transferência da produção industrial. Provedores com correspondência digital e ofertas de serviços remotos conquistarão cada vez mais market share. Tecnologias de realidade virtual e aumentada, robótica colaborativa e inteligência artificial industrial se tornarão cada vez mais importantes.

  1. A flexibilização traz novas formas de trabalhar e aprender

A crise do Coronavírus demonstrou para muitas empresas suas próprias forças e fraquezas. Ao mesmo tempo, a necessidades de testes e experimentos reduziu drasticamente a resistência para implementação de ferramentas e processos digitais. A flexibilidade alcançada desta maneira se manifestará principalmente em novas formas de trabalhar e aprender. O home office seguirá como elemento permanente da organização do trabalho.

Processos industriais serão alterados profundamente pelo uso de serviços remoto, tomada de decisão baseada em dados, gêmeos digitais e realidade virtual. A formação profissional será de se adequar a esta realidade e aumentar o uso de ferramentas e ambientes digitais.

  1. Digitalização como enabler da sustentabilidade

Um maior desenvolvimento da produção industrial e sua crescente digitalização levam a mais sustentabilidade. A crise do Coronavírus também destaca a importância de negócios sustentáveis ​​e socialmente responsáveis. A digitalização e novas constelações de criação de valor podem levar a uma maior eficiência de energia e melhor utilização de recursos ao longo de todo ciclo de vida do produto.

O documento completo está disponível neste link. Para saber mais sobre os efeitos do Covid-19 na indústria mundial, confira o artigo ‘Indústria 4.0 e COVID-19: Flexibilidade Operacional‘ disponível na Biblioteca VDI-Brasil de artigos exclusivos.