17 de novembro de 2021

Atualmente, mais do que nunca, nota-se uma clara necessidade de promover a discussão sobre sustentabilidade e a consciência de uso de recursos para um futuro mais saudável no horizonte. O tema está em evidência tanto no cenário industrial quanto na sociedade de forma geral, por isso, organizações, empresas e entidades vêm se movimentando para viabilizar formas de aplicar técnicas que resultem em melhorias nesse aspecto.

Para que a indústria consiga prosperar neste tema, é preciso possibilitar dentre outras coisas um consumo mais racional de energia e menor utilização de combustíveis fósseis. Visando alcançar esse objetivo, o governo lançou um programa para apoiar pequenas e médias indústrias a buscar maior eficiência energética.

O Ministério de Minas e Energia em parceria com o Senai-SP e a Agência Alemã de Cooperação Internacional GIZ lançaram o PotencializEE, que é um Programa de Investimentos Transformadores em Eficiência Energética na Indústria. A ação é destinada às pequenas e médias empresas, e pretende oferecer recursos da ordem de R$110 milhões.

Além do aporte financeiro, a iniciativa viabiliza também um suporte técnico para as empresas participantes. Os idealizadores do programa visam trabalhar para promover uma economia de enorme valor em custos com energia, o que resulta em maior capacidade de competir no mercado e menor impacto ambiental.

Para que os objetivos traçados possam ser alcançados, o programa é baseado em quatro pilares: políticas públicas e aumento de escala; Desenvolvimento de projetos de Eficiência Energética; Mitigação de riscos técnicos e financeiros e por fim, financiamento público e privado. A iniciativa foca na parte térmica dos processos industriais, e enxerga nessa tecnologia um leque muito grande de empresas que podem se habilitar. Desde empresas do ramo de alimentos e bebidas, até atores da indústria farmacêutica e metalurgia.

Fruto de esforços coletivos, o PotencializEE une parceiros estratégicos ligados aos setores  financeiro, de energia e industrial. Além do já citado MME (Ministério das Minas e Energia), fazem parte em âmbito federal o Ministério da Economia e o EPE (Empresa de Pesquisa Energética). Já no setor energético, o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) se junta à FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e a ABESCO (Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia).  Já em nível financeiro estão: Desenvolve SP (instituição financeira do Estado de São Paulo), BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), ABDE (Associação Brasileira de Desenvolvimento) e a FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos).

Para saber mais detalhes sobre o projeto, clique no link abaixo:

https://www.programa-potencializee.com.br/o-programa/