1 de dezembro de 2022

Segundo dados levantados pela Research and Markets, o mercado ESO (Engineering Service Outsourcing) deve atingir US$ 2,3 trilhões até 2027.

Quando se fala em outsourcing de engenharia, fala-se em Terceirização dos Serviços de Engenharia (ESO), ou seja, a contratação de diferentes funções de engenharia, incluindo projeto básico e detalhado, compliance com leis e normas, prototipagem e integração de sistemas, de uma fonte externa. Os serviços de engenharia, nesse caso, englobam todas as atividades para cada fase do ciclo de vida do produto, desde a conceituação podendo seguir até o fim da vida útil dele.

O grande crescimento dos últimos anos e as altas projeções para 2027 deste serviço são justificados, principalmente, pelas diferenças cambiais favoráveis, enxugamento dos departamentos técnicos das indústrias e o desenvolvimento de mecanismos de comunicação remota robustos e confiáveis no mercado, que diminuem a distância entre todos os países do mundo e seus inúmeros profissionais.

Segundo Fernando Lescovar, Diretor-Geral e sócio do Grupo Technik, “outro aspecto decisivo que estimula a migração de projetos para o modelo ESO se baseia na rapidez que as pequenas empresas de engenharia e startups da nova era se adequam às novidades tecnológicas, IoT, integração de fábrica, entre outras. Além disso, o outsourcing de engenharia apresenta uma visão de mercado diferente, que permite a elaboração de roadmaps mais assertivos sobre o avanço a ser implementado e, até mesmo, o tempo adequado para implementá-los. Assim sendo, estamos diante de um caminho sem volta, e a ESO se tornou uma solução essencial para o rápido e voraz mercado industrial do século XXI”.

A terceirização dos serviços abastece o mercado com uma série de oportunidades diferentes. E muitas empresas não aproveitam por falta de informação e de tempo. Lescover acrescenta que o “outsourcing é um potencial diferenciador da performance das indústrias e de como elas produzem, de maneira estratégica, econômica e prática. O mundo é global e muitos veem a terceirização de engenharia como uma terceirização da empresa, mas o que posso garantir é que é algo muito rico e positivo para todos os lados”.

Como surgiu o outsourcing de engenharia e principais desafios

O outsourcing de engenharia surgiu porque muitas empresas estão reduzindo seu quadro de engenheiros orgânicos. Isso faz com que elas procurem soluções fora. É por isso que o ESO vem ganhando corpo.

É preciso ter em mente que esse é mais um desafio do século XXI que é colocado para as instituições, pois existem algumas situações que exigem cautela. É necessário ter sabedoria para montar uma rede transversal de conhecimento a respeito desse tema, a fim de alcançar uma performance tão boa, ou até melhor, na contratação de engenheiros. No fim, essa precisa ser uma conta realmente lucrativa às organizações.

O serviço deve ser colocado em uma perspectiva estratégica empresarial, pois deve ser algo sustentável e perene. Somente com uma cultura de outsourcing será possível ter uma equipe preparada para fazer a melhor oferta possível.

Para Lescovar, “uma contratação não deve ser feita apenas por preço, pois dessa forma não se alcança a sustentabilidade naquilo que será adquirido e implantado dentro da fábrica. Assim, gera-se um conjunto de projetos com ruídos e necessidade de gestão muito grande dentro da empresa. Isso acontece porque esse desafio não traz uma solução absolutamente encaixotada. Ele desafia as organizações a desenvolverem habilidades para conversar e fazer especificações técnicas, de modo a encontrar a empresa mais adequada e entendida no assunto para realizar o serviço”.

Desafios no Brasil

Como mencionado, o outsourcing de engenharia vem crescendo em todo o mundo e, consequentemente, também no Brasil. Mas aqui, além dos desafios já mencionados, temos algumas particularidades que as organizações precisam estar atentas:

  • Atendimento às normas regulamentadoras brasileiras;
  • Desenvolvimento de projetos bem-feitos e complexos pela empresa de engenharia;
  • Adequação às diferentes plataformas, que acabam gerando desafios tecnológicos;
  • Gerenciamento de risco devido às equipes que não atendem aos requisitos obrigatórios;
  • Atenção à segurança cibernética – LGPD e demais regras de sigilo industrial;
  • Conhecimento das normas de construção – ISA, ASME, API, AWS, requisitos do cliente, etc;

É, sem dúvidas, um cenário interessante e desafiador, ótimo para quem tem capacidade técnica e busca ganhos elevados. O outsourcing de engenharia chegou, se estabeleceu primeiramente na área de TI e, hoje, já abrange projetos de detalhamento, balanço de fluxogramas e também a parte conceitual. 

Às empresas, cabe estarem preparadas aos requisitos necessários para bem executar cada projeto, pois os benefícios são grandes a todas as partes envolvidas.