20 de setembro de 2022

Entenda quais são os benefícios para os universitários de Engenharia com a Indústria 4.0. Conheça a Engenharia 4.0 e as mudanças nas DCNs.

As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) dos cursos de Engenharia passaram por importantes mudanças recentemente, de modo que as Instituições de Ensino Superior ganharam mais autonomia para definir os seus currículos.

Essas mudanças foram motivadas sobretudo pelo interesse em aproximar os conhecimentos teóricos dos conhecimentos práticos exigidos pelo mercado de trabalho em Engenharia. Em uma área cuja evasão de alunos é muito alta, as alterações das DCNs visam melhorar o desempenho dos estudantes e também sua motivação.

Paralelo a isso, há também o desenvolvimento da Indústria 4.0, que se relaciona sobretudo com os recorrentes e cada vez mais expressivos avanços tecnológicos. Nesse cenário, fala-se hoje sobre uma “Engenharia 4.0”, que visa integrar esses dois acontecimentos.

No entanto, quais são os reais benefícios dos universitários de engenharia com a Indústria 4.0? Quais iniciativas podem ser aproveitadas dentro da faculdade, e como elas impactam positivamente no desenvolvimento pessoal e profissional desses estudantes? 

Engenharia 4.0 e a mudança nas DCNs

A engenharia 4.0 faz referência a um novo modelo de Engenharia, que se adapta ao funcionamento dos negócios focados nas recentes inovações tecnológicas. Isso significa que a Engenharia 4.0 se relaciona com temas como:

  • Automação de máquinas e processos;
  • Implementação de IoT;
  • Segurança de dados;
  • Desenvolvimento de softwares mais refinados.

A mudança recente nas DCNs de Engenharia incentiva o desenvolvimento da Engenharia 4.0 porque passa a considerar fundamental para o perfil do egresso:

  • Uma visão holística e humanística, ou seja, o desenvolvimento de raciocínio lógico e pensamento crítico;
  • A atuação empreendedora e inovadora diante de desafios;
  • A adoção de perspectivas multidisciplinares na prática do Engenheiro;
  • A criação de soluções que levam em consideração o desenvolvimento sustentável.

Dessa maneira, passa a ser incentivada nos estudantes a criação de uma perspectiva que integre os conhecimentos de Engenharia às inovações observadas na tecnologia, visando oferecer à sociedade soluções mais inteligentes e criativas.

Esse modelo de ensino já é comum em países desenvolvidos, como é o caso da Alemanha, onde a relação entre ensino e prática é muito estreita. Não é incomum que empresas privadas invistam no desenvolvimento dos alunos de universidades, convidando-os para atuar como estagiários e aprendizes.

Essa postura aproxima o ensino teórico e o ensino prático, promovendo tanto um maior desenvolvimento na inovação e pesquisa, quanto um maior conhecimento dos alunos em relação ao mercado de trabalho, suas funções e suas habilidades.

As novas DCNs também promovem um ensino mais prático, o que incentiva a participação do estudante em iniciativas dentro da própria universidade. Alguns exemplos são:

  • Hackatons;
  • Programas de mentoria ou monitoria acadêmica;
  • Criação de empresas juniores;
  • Participação em polos tecnológicos.

Com esses conhecimentos, os alunos conseguem ingressar no mercado de trabalho mais cedo, e também com um preparo maior. Nesse sentido, a Engenharia 4.0 e as mudanças das DCNs contribuem, ambas, para um ensino mais dinâmico e uma formação mais aplicável no dia a dia.

Quais as vantagens da Indústria 4.0 para os estudantes de engenharia?

A Indústria 4.0 vai além da tecnologia e considera também a cultura e as pessoas, que são os fatores centrais para permitir que a transformação digital ocorra

Dentre os vários objetivos da Indústria 4.0, recebe grande destaque a integração das novas tecnologias ao ambiente de trabalho e de produção. Uma vez que inovações são utilizadas para simplificar processos, tornando-os mais eficientes.

Outros objetivos da Indústria 4.0 incluem acelerar o crescimento da empresa a partir da maior geração de receita e possibilitar uma tomada de decisão baseada em dados facilmente acessíveis.

Para o aluno de graduação em Engenharia, a Indústria 4.0 e a mudança nas Diretrizes Curriculares proporcionam:

  • Maior conhecimento prático, a partir de projetos dentro e fora da faculdade;
  • Maior valorização do aluno no mercado, uma vez que ele já possui experiências que se assemelham às suas funções profissionais;
  • Desenvolvimento de soft e hard skills com maior facilidade;
  • Contribuição para a sociedade com inovações sustentáveis e pensadas a partir de maior responsabilidade social.

Nesse sentido, os universitários de engenharia têm muito a ganhar com a Indústria 4.0, que possibilitará um ensino menos mecânico e uma maior aplicação dos conhecimentos teóricos.

 

Projeto Challenge

Entendendo os benefícios da relação entre empresa e universidade, a VDI-Brasil (Associação de Engenheiros Brasil-Alemanha), criou o Projeto Challenge. A iniciativa é focada na capacitação do engenheiro por meio de desafios técnicos que serão resolvidos através de ideias e soluções ágeis, inovadoras, criativas e que contem com experimentações físicas ou digitais.  

O projeto acontece por meio de 4 etapas:

1 – Lançamento do desafio técnico – Empresa identifica e elabora uma incerteza técnica, cujo problema deve ser resolvido através de uma experimentação técnica em um período de 5 semanas.

2 – Desenvolvimento de propostas de solução – Escola de engenharia desenvolve uma proposta de solução e apresenta como será resolvido o problema, e o(s) experimento (s) que será realizado.

3 – Definição de parcerias – Empresa decide proposta de maior sinergia com seus objetivos e as duas instituições se conectam.

4 – Início do projeto – Uma reunião de Kick-Off para discussão do projeto é realizada, e uma vez aprovado, o projeto inicia com base no acordado entre as duas instituições.

Para saber mais sobre o programa, acesse https://www.vdibrasil.com/projeto-challenge-2/#1625079852262-07f12a2f-cf28

*Produção em parceria com “Amanda Tracera, do Responde Aí”