1 de dezembro de 2022

 

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) apresentou em um documento os dados sobre cinco anos da Indústria 4.0 no Brasil, mostrando como está o investimento e quais são as dores do país na implantação de tecnologias para a transformação digital.

A Indústria 4.0 tem como base a integração de tecnologias para que viabilizem ecossistemas de sistemas inteligentes e autônomos, com fábricas descentralizadas e produtos e serviços integrados. É preciso ter uma rede inteligente de máquinas e processos para a indústria com a ajuda de tecnologias da informação e comunicação.

Com base nisso, fica claro que a Indústria 4.0 depende dessa complementaridade das tecnologias digitais. O valor dela está justamente na integração das diversas tecnologias digitais para que, por exemplo, sensores coletem informações de máquinas, que são compartilhadas com outras máquinas que, por sua vez, tomam decisões por meio dos dados coletados e da Inteligência Artificial, como a manutenção preditiva de máquinas.

De acordo com os dados apresentados no documento elaborado pela CNI, houve um aumento no uso de tecnologias digitais na indústria brasileira, mas ainda é algo incipiente. Entre as empresas industriais, 69% já utilizam pelo menos uma tecnologia digital de uma lista que apresenta 18 aplicações diferentes. Como comparativo, em 2016, quando essa pesquisa foi realizada pela primeira vez, 48% das empresas faziam uso de alguma tecnologia digital em uma lista com 10 tecnologias selecionadas.

De fato, há um alto nível de adoção, mas a maioria das empresas utiliza uma baixa quantidade de tecnologias digitais, ou seja, ainda estão na fase inicial do processo de digitalização. Entre as empresas industriais, 26% utilizam de 1 a 3 tecnologias e apenas 7% utilizam 10 ou mais.

Os resultados mostram que o baixo nível de variedade de tecnologias digitais adotadas pelas organizações reforça a necessidade da expansão da adoção e integração para que os benefícios da Indústria 4.0 sejam, de fato, alcançados.

Hoje, as tecnologias digitais com foco em melhoria do processo produtivo ainda são as mais utilizadas, mas houve um aumento do uso de tecnologias que permitem mais customização de produtos, como a automação de sensores que permite linhas flexíveis de produção, que foi de 8% em 2016 para 27% em 2021. As ferramentas que envolvem Inteligência Artificial ainda são muito pouco utilizadas.

Setor automotivo é o que emprega mais variedade de tecnologias

Dentre os setores que se destacam utilizando pelo menos uma tecnologia digital estão o de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos, com 88%, seguido do setor de Biocombustíveis, com 81%.

Entretanto, os setores que estão no topo do ranking não são os que utilizam as tecnologias digitais mais intensamente. No setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, por exemplo, 35% das empresas utilizam 7 ou mais tecnologias digitais.

 

Aumento de produtividade é o maior benefício no uso das tecnologias digitais

Dentre os principais benefícios reconhecidos pela indústria da adoção das tecnologias digitais, se encontram o aumento de produtividade, a melhora da qualidade dos produtos e a diminuição dos custos de produção.

Em todos os portes e setores analisados, os principais benefícios obtidos se relacionam com as tecnologias mais adotadas pelas indústrias com foco no processo produtivo. 72% apontaram o aumento da produtividade como um dos cinco principais benefícios obtidos com o uso de tecnologias digitais.

Em segundo lugar está a melhora da qualidade dos produtos ou serviços e a redução de custos operacionais, com 60%.

Alto custo de implantação ainda é a maior barreira

Assim como em 2016, o alto custo de implantação é percebido como a maior barreira interna à empresa para a adoção de tecnologias digitais, com 66% de assinalações, como uma das três principais barreiras.

Em segundo lugar aparece a barreira “dificuldade para identificar tecnologias e parceiros”, assinalada por 33.3% das empresas entre as três maiores barreiras externas para adoção de tecnologias digitais, reforçando a dificuldade com a falta de conhecimento técnico a respeito das tecnologias.

A indústria está, claramente, mais digitalizada, porém, esse é um processo que ainda precisa ser consolidado no Brasil. Como mencionado, poucas indústrias fazem, de fato, o uso de diversas tecnologias, o que impossibilita colher todos os benefícios e melhorias que a Indústria 4.0 pode trazer. De maneira geral, falta maturidade ao mercado brasileiro na implantação dessas tecnologias.