19 de julho de 2022

O confronto armado entre Rússia e Ucrânia já ultrapassa a marca de quatro meses e seus impactos estão sendo repercutidos e sentidos no mundo inteiro. Além das milhares de vítimas da guerra iniciada em fevereiro (2022), há também um efeito direto em diversos setores do mercado mundial, ocasionando uma escassez de matérias primas dentro das indústrias. 

Na indústria, novas incertezas no fornecimento de materiais e energia foram adicionadas às disrupções existentes. Além disso, os custos de produção das empresas voltaram a subir acentuadamente. Em março de 2022, os preços do produtor industrial estavam 30% acima do nível pré-crise, segundo uma matéria publicada no portal da VDI na Alemanha.

Tal aumento está diretamente relacionado ao fator geográfico e econômico que impacta diretamente as exportações de recursos, que atualmente estão tendo uma baixa saída de equipamentos e materiais. 

Com o alto custo nas exportações a inflação está impactando fortemente a indústria, que ainda está em dúvida sobre se é uma opção viável investir em soluções alternativas, pois encontrar meios de se sobressair dessa crise é extremamente custoso. 

Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Econômico Alemão, as intenções de investimento das empresas para 2022 esfriaram, mas ainda são claramente positivas, a proporção de empresas que queriam aumentar seus investimentos neste ano caiu em relação à pesquisa de novembro de 2021, representando uma queda de cinco pontos percentuais para 43%.

Mesmo com o cenário financeiro pouco propenso para assumir riscos e iniciar o processo de inovação dentro das empresas, desenvolver soluções alternativas para substituir os recursos que estão em falta é a melhor opção para conter os impactos causados pela desordem na cadeia de suprimentos. 

A Alemanha está entre os países afetados por essa nova crise econômica que impactou as indústrias alocadas no país, gerando uma pressão no planejamento e desenvolvimento de novas opções de recursos para suprir as demandas existentes.

A comunicação entre as organizações impactadas com o conflito entre os países pode ser a chave para fortalecer essa estratégia para conter a crise, visto que com o diálogo entre os impactados fica mais fácil realizar o planejamento e o estudo das alternativas possíveis.

Diversificar os nichos requeridos pela cadeia de suprimentos, deve ser levado em consideração durante esse momento delicado, pois essa adaptação às indústrias não conseguem ampliar o mapa de recebimento de materiais e não se tornam dependentes de um único país.

O avanço na estruturação de novas tecnologias é essencial para que a economia volte a se estabilizar e a reduzir impactos futuros gerados por conta da guerra. 

De acordo com o site A Voz da Indústria, a união entre os mundos real e virtual cria um ambiente seguro para as indústrias testarem novas ideias e soluções, evitando falhas durante o processo produtivo. É imprescindível manter um planejamento que abranja diversos fatores e trajetos, pois muito pode mudar de acordo com o decorrer da guerra. 

Essas medidas vão fazer com que as indústrias entrem em um período de modificação na estruturação na produção dos insumos ofertados, acelerando o processo de desenvolvimento de novas tecnologias que vai oferecer mais possibilidades aos segmentos.