Com o avanço das energias renováveis, as tecnologias e sistemas de armazenamento de energia estão se tornando cada vez mais importantes. Com dois projetos em andamento próximos a Berlim, o número de fábricas de baterias de íon-lítio na Europa deve aumentar consideravelmente nos próximos anos. Atualmente, são seis fábricas existentes no continente, mas espera-se que esse número chegue a 21 em um futuro próximo.

Esse desenvolvimento também tem contribuições significativas para a Alemanha como um centro econômico, uma vez que a produção de baterias deve gerar milhares de empregos.

Europa planeja possuir 25% da participação no negócio global de fabricação de baterias até 2030

Tradicionalmente, a Europa não tem desempenhado um papel muito significativo como local para a produção de baterias, mas os avanços técnicos, as condições políticas favoráveis ​​e um mercado de vendas especialmente promissor estão tornando o continente cada vez mais atraente para esse fim. Um olhar para o papel fundamental que a produção de células de bateria desempenha nas cadeias de valor upstream – em todo o setor de fornecimento de energia renovável e especialmente na fabricação de veículos elétricos – deixa claro seu significado.

As células da bateria representam aproximadamente 40% do valor agregado na produção de um veículo elétrico. Portanto, não é de admirar que a capacidade de produção de baterias de íon-lítio esteja crescendo mais rapidamente na Europa do que em qualquer outra região do mundo. As previsões atuais preveem que a participação do continente neste negócio de manufatura global aumentará de cerca de 6% para 16% a 25% em 2030.

300 gigawatts-hora de capacidade da bateria em 2029

Numerosas fábricas de células de bateria estão sendo construídas atualmente na Europa. De acordo com a Benchmark Mineral Intelligence, espera-se que o continente hospede instalações de manufatura capazes de produzir mais de 300 gigawatts-hora (GWh) de capacidade de bateria até 2029. O estudo “Batteries for electric cars: Fact check and need for action“, solicitado pela VDMA (Associação Alemã de Fabricantes de Máquinas e Instalações Industriais), e realizado pelo Fraunhofer Institute for Systems and Innovation Research ISI, chega a sugerir que capacidades de produção de 300 a 400 GWh poderiam ser alcançadas até 2025. O site Battery-News.de prevê que só o mercado alemão representará mais de 170 GWh da capacidade de produção. A título de comparação, a Europa tem, atualmente, cerca de 30 GWh de capacidade de produção.

Geração de mais de 10 mil empregos

O estudo encomendado pela VDMA e realizado pelo Fraunhofer ISI conclui que para cada GWh de capacidade da bateria, 40 empregos serão criados na fabricação de células de bateria e outros 200 em setores upstream, como pesquisa e desenvolvimento ou construção de máquinas e instalações. Supondo que a Europa atinja pelo menos 300 GWh de capacidade de produção até 2029, conforme previsto, isso resultaria em 12 mil empregos diretos e 60 mil em setores upstream.

Levando em consideração os efeitos adicionais esperados no emprego, o Fraunhofer ISI antecipa que a fabricação de baterias pode elevar esse número a 155 mil empregos até 2033. Por exemplo, serão necessários técnicos para integração de sistemas e manutenção da fábrica, e o crescimento do emprego também será visto em conexão com outro armazenamento de sistemas, como células de combustível e eletrolisadores. Novos empregos downstream também estão em ascensão com fabricantes de sistemas de armazenamento de eletricidade, como a Tesvolt. O fabricante de sistemas estacionários para a indústria e o comércio começou recentemente a produzir em massa seus sistemas de armazenamento.

Se você se interessou por esse assunto, acesse nossa biblioteca de artigos exclusivos e confira muito mais. São mais de 50 textos e webinars disponíveis. Acesse https://www.vdibrasil.com/biblioteca-vdi-brasil/