Melhorar processos é uma demanda constante das grandes empresas e o Ciclo PDCA pode ajudar os engenheiros a aperfeiçoar processos já existentes e a se preparar para implementar novos projetos ou ideias.

Além de grande conhecimento técnico na área de atuação, um planejamento eficiente é determinante para projetos de engenharia, pois contribui grandemente para o alcance de bons resultados e supera as expectativas e projeções negativas.

A ferramenta PDCA é um das mais difundidas e utilizadas por gestores que buscam a melhoria contínua de seus processos. O ciclo PDCA, criado pelo engenheiro Walter Shewhart na década de 1920 e difundido por Edwards Deming, é um método extremamente eficiente para a resolução de problemas. A sigla refere-se às etapas Plan-Do-Check-Act (Planejar, Fazer, Checar e Agir), ou seja, ações básicas que devem ser seguidas para a boa gestão de projetos.

Neste ciclo, as ações de planejamento, de execução e de análise são aplicadas, de forma contínua, ao longo de todo o projeto. O fundamento principal é que os gestores mantenham os processos que estão dando resultados e apresentem melhorias para a próxima etapa.

Além de otimizar processos, o método é muito eficiente para gerar conhecimento ao longo de todo o ciclo de vida do projeto. Muitos enxergam o ciclo, erroneamente, como uma ferramenta meramente gerencial, mas ele pode ser muito efetivo na escolha do método adequado para se alcançar os objetivos traçados e também para a viabilização de aplicação. Neste texto, vamos mostrar como o ciclo PDCA pode ser um diferencial competitivo em projetos de engenharia em geral.

Plan (Planejamento)

O planejamento consiste na análise do processo e na identificação dos pontos de melhoria que serão focados. Normalmente, essa é uma etapa subestimada em projetos de engenharia, entretanto, é muito comum ver projetos de alta complexidade com problemas que poderiam ter sido identificados nessa etapa. Sendo assim, “gastar” tempo nessa etapa é fundamental para evitar falhas posteriores.

Nessa fase, portanto, determina-se o objetivo que deverá ser atendido e um plano de ação eficiente. O gestor estabelece as atividades necessárias para alcançar as metas. Um grande diferencial é ter acesso a dados estruturados de processos anteriores, uma vez que permite identificar as falhas e não as repetir em novos projetos.

Do (Fazer)

Essa fase consiste em implementar a opção escolhida. Normalmente, essa é a fase do ciclo mais aplicada em projetos de engenharia, entretanto, alguns engenheiros negligenciam o desenvolvimento de um protótipo, o que é imprescindível para avaliar as hipóteses levantadas na primeira etapa do ciclo.

Nessa etapa, é fundamental observar o funcionamento do método, coletar dados para avaliar o desempenho do processo. Para isso, é preciso implementar um projeto piloto em menor escala para então, na fase 4, aplicar a solução final.

É importante salientar que, em caso de erros nessa etapa, é imprescindível voltar ao planejamento.

Check (Checar)

A checagem consiste em avaliar os resultados desejados e os obtidos após a etapa anterior. Com isso, torna-se possível fornecer parâmetros para as alterações necessárias.

Para essa parte, são necessários monitoramento e avaliação constantes. Toda atividade deve ser monitorada, evitando gargalos e possibilitando melhorias.

Act (Agir)

Essa etapa consiste em implementar, de fato, o projeto. Ela é executada com base dos resultados da etapa anterior, buscando aproximá-los, cada vez mais, das soluções desejadas.

Mesmo alcançando sucesso ao atingir o objetivo inicial, a ferramenta pode continuar a ser aplicada, visando a melhoria contínua. A cada nova implementação, é preciso checar o desempenho do processo, reiniciando a análise.

É importante ressaltar que o ciclo PDCA é uma ferramenta de uso contínuo, ou seja, você planeja, executa, verifica, age, planeja de novo, executa de novo, verifica de novo, age de novo e assim sucessivamente.