20 de outubro de 2021

Para encerrar o primeiro dia da 13ª edição do Dia da Engenharia Brasil-Alemanha, foi realizada uma visita virtual ao Centro de Manufatura Aditiva da Siemens, na Alemanha. Para apresentar o local e falar sobre as tecnologias, estiveram presentes Gerson Silva, Especialista de Aplicação na Siemens Brasil e Martin Gehringer, Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Manufatura Aditiva da Siemens na Alemanha.

Antes da visita em si, Gerson Silva discorreu sobre as características e definição de Manufatura Aditiva, ressaltando a importância desse método para a indústria e sustentabilidade. “A Manufatura Aditiva se opõe aos dois métodos convencionais de manufatura, a formativa, com moldes e matrizes, e a subtrativa, com remoções e ferramentas. Porém, ela não vem para substituí-los, mas para acrescentar, sendo mais uma alternativa de método de produção”.

Silva prosseguiu com a explicação complementando que a Manufatura aditiva é um procedimento de fabricação por meio de adição sucessiva de material na forma de camadas, com informações obtidas diretamente de uma representação geométrica computacional 3D do componente. 

O método de produção possui sete maneiras de tecnologias para materiais específicos, entre elas estão as principais etapas, semelhantes em todos esses processos, sendo: Ideia – Modelagem – Preparação – Manufatura aditiva – Remoção do componente – Tratamento térmico, remoção do suporte, tratamento – Inspeção e Resultado. 

Segundo Silva, as principais vantagens desse procedimento são a grande flexibilidade de produção sustentável no processo e a ausência de preocupações com processos ferramentais e de moldes. “Mas por outro lado é necessário considerar que sempre será necessário para esse método o uso de um projeto 3D digital, porque é a partir dele que será produzida determinada peça”, esclareceu.  

Ainda ressaltando quais os benefícios de se usar Manufatura Aditiva, Gerson elencou alguns pontos: Geração de geometrias complexas em camadas que não são possíveis serem formadas com manufatura formativa. Possibilidade de produção em pequenos lotes de produtos personalizados, além da capacidade de produção sem ferramentas ou moldes e o compartilhamento de projetos em formato digital. Por fim, a redução de estoque de peças e economia de matéria prima, os quais resultam em um processo de produção muito mais sustentável. 

Dando continuidade à atividade, Martin Gehringer, Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Manufatura Aditiva da Siemens na Alemanha, guiou uma visita virtual ao Centro de Excelência de Manufatura Aditiva da Siemens na Alemanha, onde exemplificou como o processo de manufatura aditiva é realizado na prática por meio dos vídeos e apresentações da empresa.

De acordo com Gehringer, “a sustentabilidade é vista como um dos principais impulsionadores para a transição da fabricação de aditivos para a produção em massa. Esse método possui notáveis ganhos sustentáveis, como a descarbonização, redução de peso (até 55% menos), redução da matéria prima utilizada (até 90%), motores e cabines em plástico e metal.  Também como impulsionador da mobilidade na impressão de células da bateria EV. Além da simplificação e eficácia do processo na prototipagem rápida, redução do tempo de lançamentos no mercado, e o fato de que componentes com geometrias complexas consomem menos matéria prima, produzem menos resíduos e reduzem o consumo de energia”. 

Confira a visita completa neste link.

Por último, o Vice-presidente da VDI-Brasil e Diretor de Inovação da Siemens, José Borges, encerrou o primeiro dia da edição, fazendo um resumo geral das atividades do 13º Dia da  Engenharia. Borges ressaltou que, “A VDI trouxe o tema de Manufatura Aditiva e a visita virtual, acreditando que esse novo método de produção está totalmente correlato à proposta de discussão sobre engenharia sustentável, sendo um grande avanço para as indústrias na redução e otimização de materiais”, finalizou.