Equipe foi qualificada para a etapa mundial que acontece em novembro.

Um carro sustentável! É possível? Em 2020 pudemos constatar que sim. A equipe Chapter Student do Centro Universitário FEI, vinculado ao American Institute of Chemical Engineers (AIChE), desenvolveu um carro que se movimenta por meio de energia química limpa.

A equipe, formada em sua maioria por alunos de engenharia química, desenvolveu o veículo para participar da Chem-E Car Competition, que aconteceu durante a Conferência Regional dos Estudantes Brasileiros (BSRC – sigla em inglês), realizada em Salvador entre os dias 31 de janeiro e 02 de fevereiro.

O concurso anual Chem-E-Car® da AIChE envolve estudantes universitários com o objetivo de construir um carro alimentado por uma fonte de energia química que deve transportar, com segurança, uma carga especificada por uma determinada distância e parada.

Com esse veículo, a equipe de alunos da FEI se consagrou campeã da Chem-E Car Competition. A inovação, até então inédita no Brasil, classificou o time para a etapa mundial que acontecerá em novembro nos Estados Unidos.

O presidente da equipe e aluno de Engenharia Química da FEI, João Vitor Ferreira, explica o funcionamento do veículo desenvolvido, conhecido como ‘Saboinha’. “O automóvel é movido por um motor elétrico na parte traseira. O interessante é que a energia utilizada é oriunda de células combustíveis instaladas no próprio carro, que transformam o hidrogênio e o oxigênio em energia elétrica”.

Sobre o processo de geração de energia, João Vitor afirma que “convencionalmente, as células combustíveis utilizam um cilindro de hidrogênio e outro de oxigênio, que se encontram no interior de uma célula combustível. Entretanto, no Saboinha há somente um cilindro de hidrogênio, e a outra parte recebe o oxigênio do ar atmosférico. Essa novidade permite um espaço maior no carro, menor peso e um custo menor. Porém, sua eficiência diminui, pois o ar atmosférico possui 20% de oxigênio. Mesmo assim, estamos cada vez mais felizes com as pesquisas sobre o tema, que nos permitem estudar cada vez mais para o aumentar essa eficiência.”

Um dos principais benefícios da utilização de células combustíveis é que, diferentemente de um motor a combustão, o resíduo originado por ele é a água.

Além desta modalidade, a instituição também obteve destaque em outras categorias. Os alunos da FEI ficaram em primeiro e em terceiro lugar na Poster Competition, que é uma apresentação dos trabalhos de pesquisas realizados nas instituições de ensino. Em segundo lugar no Poster Session – apresentação dos carros – e em terceiro lugar na Jeopardy Competition – competição parecida com o ‘Show do Milhão’, com perguntas e respostas.

Por meio do AlChE, as faculdades tornaram-se membras ativas, participando de atividades e projetos de cunho estudantil, social e profissional de alcance regional e internacional, buscando complementação na formação dos alunos participantes.

Sobre o AlChE

O AIChE – American Institute of Chemical Engeneers – é uma instituição centenária sem fins lucrativos criada para estabelecer a profissão de engenharia química. É a maior organização de engenheiros químicos do mundo, presente em mais de 110 países e somando, ao todo, mais de 60.000 membros. O capítulo dos alunos da FEI foi criado no ano passado e, atualmente, conta com 11 estudantes do curso de engenharia química e com um de engenharia mecânica. E, mesmo com apenas um semestre de existência, já conseguiu repercussão no AlChE global. A FEI é a segunda Instituição de São Paulo a possuir esse capítulo filiado ao AIChE.